DESVENDAR UM MITO COMUM: CARDIO EM JEJUM

Discussão e Reflexões

Deixa-nos esclarecer que treinos HIIT e cardio linear de alta intensidade não são os melhores e únicos caminhos a percorrer. Muitas pessoas têm patologias ortopédicas, cardíacas e até psicológicas perfeitamente legítimas para os evitar. Para além disso, acreditamos verdadeiramente que tanto os exercícios aeróbicos de baixa intensidade como os de alta intensidade têm benefícios exclusivos. Idealmente, os dois tipos devem ser feitos, pois cada um tem efeitos especificamente diferentes. Dizer que um é superior ao outro para melhorar a composição corporal é tão falso como dizer que 5 repetições por série é superior a 15. Pelo contrário, há um benefício bem estabelecido na periodização de variáveis de treino, incluindo a intensidade do cardio.

 

Fazer muito do mesmo? 

Ouvimos dizer muitas vezes que o cardio de alta intensidade não deve ser feito simultaneamente com o treino de força de alta intensidade devido ao stress excessivo no sistema nervoso central. Desculpa perfeita. A nossa resposta é que não há provas sólidas desse perigo. E não temos evidências disso nas nossas observações como profissionais na área, trabalhando com imensa gente e com todos os tipos de atletas competitivos, desde bodybuilders, ginastas, maratonistas, etc. (atletas em que o físico incrível não tem nada a ver com pesos + cardio de alta intensidade). É verdade que algumas pessoas consideram uma ingestão baixa de hidratos de carbono como uma razão legítima para manter a intensidade baixa. No entanto, se o teu plano de dieta não te oferece o suporte adequado a treinos produtivos, então estás a dar vários passos atrás, comprometendo o teu corpo, os teus resultados e a tua saúde.

 

Opções 

As opções podem ser divididas da seguinte maneira:

  • Se estiveres com pouco tempo e conseguires fazer um treino HIIT sem qualquer sobreposição de dores musculares, consegues tolerá-lo em termos de articulações e batimento cardíaco e odeias “perder” tempo a fazer cardio, então faz HIIT.
  • Por outro lado, se tiveres tempo para fazer cardio de baixa intensidade em estado estacionário (LISS) e realizar um volume e magnitude particularmente altos de treino de resistência, então faz LISS.
  • Se estiveres entre os dois mencionados acima e não tiveres um limite de tolerância ou preferência específico, faz os dois tipos de forma cíclica, rotativa ou combinada. No entanto, nunca é demais referir que, a não ser que tenhas uma progressão muito gradual em relação à tolerância musculoesquelética porque já tens o hábito de correr (por exemplo), podes lesionar-te e lá se vai o teu esforço e treino produtivo durante várias semanas.
 

Jejum = Rendimento abaixo do ótimo

O cardio em jejum não é ideal por razões que vão para além do seu histórico questionável de pesquisa. Existe uma sinergia metabólica positiva inevitável em estar alimentado (leia-se: bem alimentado), independentemente do desporto. E este efeito aumenta com a intensidade do treino. Mesmo em indivíduos não treinados, qualquer oxidação de gordura que seja suprimida durante o treino, é compensada no período de recuperação por vários mecanismos, muitos dos quais ainda não foram identificados. Algumas pessoas preferem acreditar em mitos, enquanto outras acreditam na ciência.

Sabias que, nos anos 60, não era incomum os treinadores dizerem aos atletas de vários desportos para evitar beber água antes e durante o treino? Nem vamos comentar isto.

Ainda bem que os investigadores questionaram e surgiram dados suficientes para validar as justificações dos mais céticos. No entanto, os mitos abordados aqui são mais subtis que o exemplo anterior da água. O ponto é que mesmo com um desempenho subótimo (abaixo do ideal), várias pessoas ainda fazem cardio em jejum.


Concluindo…

Nós vemos isto da seguinte forma: faz o tipo de cardio que gostas mais e que também respeite os teus limites físicos. HIIT é mais rápido, mas arriscado. LISS é mais seguro, mas leva o dobro do tempo para realizar a mesma coisa. Novamente, faz o que preferires e o que podes tolerar, mas NÃO cometas o erro de assumir que o LISS queima mais gordura. Isto é não entender a fisiologia do assunto.

Terminamos com um desafio para ti: revê os factos e estudos de forma ativa, antes de acreditares nos mitos.

 

Referências:

  1. Achten J, Jeukendrup AE. Relation between plasma lactate concentration and fat oxidation rates over a wide range of exercise intensities. Int J Sports Med. 2004 Jan;25(1):32-7.
  2. Thompson DL, et al. Substrate use during and following moderate- and low-intensity exercise: implications for weight control. Eur J Appl Physiol Occup Physiol. 1998 Jun;78(1):43-9.
  3. Phelain JF, et al. Postexercise energy expenditure and substrate oxidation in young women resulting from exercise bouts of different intensity.J Am Coll Nutr. 1997 Apr;16(2):140-6.
  4. Lee YS. Et al. The effects of various intensities and durations of exercise with and without glucose in milk ingestion on postexercise oxygen consumption. J Sports Med Phys Fitness. 1999 Dec;39(4):341-7.
  5. Melanson EL, et al. Effect of exercise intensity on 24-h energy expenditure and nutrient oxidation. J Appl Physiol. 2002 Mar;92(3):1045-52.
  6. Saris WH, Schrauwen P. Substrate oxidation differences between high- and low-intensity exercise are compensated over 24 hours in obese men.
  7. Grediagin A, et al. Exercise intensity does not effect body composition change in untrained, moderately overfat women. J Am Diet Assoc. 1995 Jun;95(6):661-5.
  8. Mougios V, et al. Does the intensity of an exercise programme modulate body composition changes? Int J Sports Med. 2006 Mar;27(3):178-81.
  9. Okura T, et al. Effects of exercise intensity on physical fitness and risk factors for coronary heart disease. Obes Res. 2003 Sep;11(9):1131-9.
  10. Tremblay, et al. Impact of exercise intensity on body fatness and skeletal muscle metabolism. Metabolism. 1994 Jul;43(7):814-8.
  11. Yoshioka M, et al. Impact of high-intensity exercise on energy expenditure, lipid oxidation and body fatness. Int J Obes Relat Metab Disord. 2001 Mar;25(3):332-9.
  12. Broeder CE, et al. The effects of either high-intensity resistance or endurance training on resting metabolic rate. Am J Clin Nutr. 1992 Apr;55(4):802-10.
  13. Gutin B, et al. Effects of exercise intensity on cardiovascular fitness, total body composition, and visceral adiposity of obese adolescents. Am J Clin Nutr. 2002 May;75(5):818-26.
  14. Melanson EL, et al. Resistance and aerobic exercise have similar effects on 24-h nutrient oxidation.. Med Sci Sports Exerc. 2002 Nov;34(11):1793-800.
  15. Ahlborg, G., and P. Felig. Influence of glucose ingestion on fuel-hormone response during prolonged exercise. J. Appl. Physiol. 1976;41:683-688.
  16. De Glisezinski I, et al. Effect of carbohydrate ingestion on adipose tissue lipolysis during long-lasting exercise in trained men. J Appl Physiol. 1998 May;84(5):1627-32.
  17. Coyle EF, et al. Fatty acid oxidation is directly regulated by carbohydrate metabolism during exercise. Am J Physiol. 1997 Aug;273(2 Pt 1):E268-75.
  18. Civitarese AE, et al. Glucose ingestion during exercise blunts exercise-induced gene expression of skeletal muscle fat oxidative genes. Am J Physiol Endocrinol Metab. 2005 Dec;289(6):E1023-9.
  19. Wallis GA, et al. Metabolic response to carbohydrate ingestion during exercise in males and females. Am J Physiol Endocrinol Metab. 2006 Apr;290(4):E708-15.
  20. Coyle, et al. Muscle glycogen utilization during prolonged strenuous exercise when fed carbohydrate. J. Appl. Physiol. 1986;6:165-172.
  21. Coyle, et al.. Carbohydrates during prolonged strenuous exercise can delay fatigue. J. Appl. Physiol. 59: 429-433, 1983.
  22. Horowitz JF, et al. Substrate metabolism when subjects are fed carbohydrate during exercise. Am J Physiol. 1999 May;276(5 Pt 1):E828-35.
  23. Febbraio MA, et al. Effects of carbohydrate ingestion before and during exercise on glucose kinetics and exercise performance. J Appl Physiol. 2000 Dec;89(6):2220-6.