AÇÚCAR VS. GORDURA: QUAL É O PRINCIPAL CULPADO?

Lembram-se quando, nos anos 80, as dietas reduzidas em gordura estavam na moda, o que levou a uma “explosão” de produtos com baixo teor de gordura, desde gelados e bolachas, até manteiga de amendoim? Essa tendência alimentar fez com que os fabricantes aderissem ao movimento e removessem a gordura dos seus alimentos, garantindo que os consumidores soubessem disso através dos rótulos dos produtos. Uma questão que os fabricantes não tiveram em consideração foi que, sem o sabor que as gorduras proporcionam, algo extra tinha que ser adicionado: o açúcar.

Com o aumento da obesidade e da diabetes tipo 2 na sociedade, nas últimas décadas, o debate quanto à causa desses problemas muitas vezes oscilou entre o açúcar e a gordura. Então: açúcar vs. gordura, qual é o culpado? Esta discussão tem mais que se lhe diga do que colocar a culpa num ou noutro, como iremos explorar de seguida. 


Qual é o pior: açúcar ou gordura?

Hoje em dia, as tendências na dieta parecem inclinar-se mais numa direção de alto teor de gordura e baixo teor de hidratos de carbono, sendo que o açúcar e os restantes hidratos são difamados e, supostamente, a causa de todas as doenças.

Sem hidratos e sem gordura, o que é que sobra? Analisando mais de perto, o caso em questão não é tão “preto no branco”, porque nem todos os alimentos com baixo teor de gordura ou hidratos são prejudiciais à nossa saúde. Na verdade, é essencial que incluas o equilíbrio certo de ambos, bem como proteína, na tua dieta. A questão mais urgente é como é que a gordura e o açúcar são processados. 

Açúcares refinados

Os açúcares refinados são isolados da sua principal fonte nutricional primária, o que significa que carecem de vitaminas, minerais e nutrientes essenciais que o nosso corpo precisa, para além de causar grandes picos e quedas drásticas nos níveis de açúcar no sangue. Este tipo de “montanha-russa” de açúcar no sangue pode levar a desejos intensos, aumento de peso e, em casos mais graves, diabetes tipo 2. Imagina um talo de cana-de-açúcar e pensa durante quanto tempo terias que o mastigar para ficar um pouco doce, em vez de beber um refrigerante com dez colheres de chá de açúcar adicionado. Pode ser fácil consumir muito açúcar muito rapidamente, e sem te aperceberes.

Eliminar o açúcar

O vício e a dependência do açúcar são bastante reais. Quanto mais ingeres, mais precisas e queres ingerir. Num estudo feito na Universidade de Princeton descobriu-se que quando os animais recebem açúcar, comem demasiado e desenvolvem tolerância. O que isto significa é que precisam de mais e mais para se sentirem bem. A remoção do açúcar da sua dieta produziu sintomas de abstinência, como ansiedade e tremores.

Alimentos ricos em gordura

Quer se trate da dieta Atkins ou da última tendência de dietas cetogénicas, que inundam o mundo da saúde e fitness, ter uma dieta rica em gordura, sem ter em conta o tipo de gordura ingerida, pode causar problemas de saúde. É crucial estar atento aos tipos de gordura que incorporas na tua dieta. Se olhares mais de perto, vais ver que alimentos ricos em gordura, frequentemente promovidos, também incluem carnes altamente processadas, como bacon ou salsicha. Estes tipos de carne geralmente são embalados com conservantes, para além de conterem elevados níveis de sal, nitratos e açúcar. Várias pesquisas salientaram que essas carnes processadas tendem a causar inflamação no corpo e aumentar o risco de certos tipos de cancro.

Gordura: amiga ou inimiga?

Há uma grande diferença entre gorduras altamente processadas e gorduras que têm origem de fontes de alimentos de boa qualidade. Quando os animais consomem alimentos que estão predispostos a comer e a viver em condições de vida limpas e saudáveis, serão naturalmente mais magros e terão maiores quantidades de ómega-3 no seu sistema. O mesmo se aplica aos ovos e laticínios. Portanto, sempre que possível, optar por produtos biológicos vai fazer bem melhor à tua saúde.

O mesmo pensamento se aplica quando se trata de óleos vegetais. Foca-te o máximo possível nas opções naturais e minimamente processadas. É mais fácil ingerir o excesso de calorias do azeite do que comer azeitonas inteiras. Os óleos têm muitos benefícios, portanto, aprecia-os com moderação. Procura óleos não refinados, porque as variantes refinadas e tratadas termicamente contêm gorduras danificadas que são cobertas com corantes. Muitos fabricantes de alimentos usam grandes quantidades de óleo de palma saturado ou gorduras hidrogenadas nos seus produtos, associados a doenças cardiovasculares e inflamação.

Estudos recentes desvendaram o mito de que a ingestão de gordura saturada está diretamente associada a doenças cardiovasculares. Para uma saúde ideal, é importante olhares para a tua dieta no geral. Incluir hidratos de alta qualidade, como grãos inteiros, frutas e vegetais, combinados com um estilo de vida ativo, são necessários para a tua saúde e bem-estar. 


Açúcar + Gordura = Problema a dobrar

Alimentos altamente palatáveis têm uma elevada concentração de ingredientes específicos que fazem com que o teu cérebro e o teu humor se iluminem como uma árvore de Natal. No entanto, vais pagar um preço, porque esses alimentos saborosos são viciantes, e vais querer cada vez mais. Os fabricantes de alimentos de hoje em dia adicionam intencionalmente açúcar, gordura ou sal extra aos produtos, para acionar o “circuito de recompensa” nos nossos cérebros; o que significa que queremos e precisamos cada vez mais.

A maioria deste tipo de alimentos contém açúcar, gordura e/ou sal, e a combinação destes ingredientes aumenta o teu “ponto de felicidade”. Uma explicação para isso é que alimentos altamente palatáveis ou refinados sobrecarregam o cérebro com dopamina, o neurotransmissor que ajuda a controlar os centros de recompensa e prazer do cérebro. A indústria de alimentos tira proveito disso; e é por isso que não é totalmente culpa tua quando comes um pacote inteiro de batatas fritas, uma embalagem de gelado ou um pacote de bolachas. 

Foca-te em alimentos frescos e não processados

Quanto mais privas o teu corpo de vitaminas e minerais, por exemplo ao comer alimentos processados que não têm variedade, mais desejos irás sentir. Alimentos pobres em nutrientes, como doces e batatas fritas, vão deixar o teu corpo insatisfeito. Frutas e vegetais frescos reduzem os níveis de grelina, a hormona da fome, no estômago, enquanto que a “junk food” a aumenta.


Deixa a comida trabalhar a teu favor, e não contra ti.